Hildeberto Barbosa
Hildeberto Barbosa
Hildeberto Barbosa

Ética do cuidado

Por: | 05/05/2024

Pensamentos Provisórios

Tenho pensado numa ética do cuidado. Especialmente no cuidado das coisas do dia a dia, nas pequenas ações que me movem na esfera do tempo, do espaço e que me transportam para a estranha clareira do outro. Esta ética anda distante dos excessos e se compraz, sobretudo, com a noção de medida. Desenvolve a poética necessidade de predicar o limite das ocorrências ordinárias dentro de sua inteira plenitude. Almeja a dignidade das coisas, a beleza dos objetos, a verdade simbólica dos fenômenos ocasionais. E se quer uma ética movida pela consciência interior, explorada em sua máxima potência. Seus nutrientes se distribuem pelo respeito aos apelos naturais, pelo portar-se decentemente no fluxo das relações sociais, pelo zelo reiterado com os mais vulneráveis. Tudo, sem o trampolim da transcendência nem a mística da fé. Uma ética atenta tão somente ao imperativo dos fatos, ao decreto das circunstâncias que nos fazem animais humanos, diferentes dos outros animais, porém, nunca superiores.


FONTE: Facebook - Acesse

Todos os campos são obrigatórios - O e-mail não será exibido em seu comentário