Foto Notícia

Carnaval na AABB - Sérgio Botêlho

Por: | 07/11/2023

PARAHYBA DO NORTE E SUAS HISTÓRIAS. As matinais carnavalescas da AABB

Sérgio Botêlho – No tempo em que no carnaval de João Pessoa brilhavam os clubes, havia um deles que tinha o seu próprio brilho. Me refiro à Associação Atlética Banco do Brasil, a AABB, no caso, a do antigo prédio com alicerces fincados na avenida Pedro II, quase no encontro com a avenida João Machado, que realizava seus carnavais, sem concorrentes, pela manhã. A disputa pelos convites e ingressos para as matinais da AABB era grande e, na hora aprazada, os carros ocupavam os espaços junto ao meio-fio e em cima das calçadas, uma vez que o estacionamento do clube restava impossibilitado de atender a todos os foliões. Herói musical dos carnavais pessoenses, em todos os clubes à disposição, o maestro Villôr e sua orquestra por vários anos também animaram o pequeno salão da AABB. Falar em pequeno salão, tal limite físico nunca foi empecilho para que as matinais da AABB atraíssem sempre elevados números de foliões, em busca da mais pura alegria e, caso solitários, de encontrar uma cara metade ao gosto do espírito do rei Momo. Os brincantes pulavam no espaço mesmo das mesas, do bar, a partir da rua, do estacionamento, de tudo quanto era canto, uma vez que o som da orquestra alcançava bem mais longe do que pedia o sítio teoricamente oferecido à dança pelo clube. O frevo pernambucano e as marchinhas de carnaval eram mais do que suficientes para sustentar a folia até o indesejado final. Capiba e Nelson Ferreira eram nomes que, com suas composições, davam um brilho extra ao carnaval, não apenas de Pernambuco, a terra natal do frevo, como da Paraíba. “Felinto, Pedro Salgado, Guilherme, Fenelon cadê teus blocos famosos, Bloco das Flores, Andaluzas, Pirilampos, Apôs-Fum, dos carnavais saudosos”. Era o momento do frevo-canção Evocação Número 1, de Nelson Ferreira, a juntar mais os namorados. Mas logo voltava o tumulto maravilhoso quando a orquestra apelava, com o famoso pã rãn rãn rãn rãn rãn rãn, pã rãn rãn rãn rãn rãn rãn”. E, não dava outra, as dependências da AABB pegavam fogo. E a felicidade dominava o salão, misturada aos confetes e às serpentinas e às vozes em coro dos foliões braços para o alto e as pernas se confundindo no embalo daquele ritmo absolutamente mágico. As matinais da AABB entravam pela tarde inteira e chegavam à boca da noite. Os mais dispostos, pegavam direto. Porque, depois era continuar a festa no corso e, mais tarde, nos carnavais de outros clubes da cidade, até o dia raiar, numa pisada que ia até a quarta-feira, de manhã, quando, não raramente, a orquestra a animar o Cabo Branco deixava as dependências do clube puxando os foliões até a atual praça da Muriçocas, senão ninguém ia embora. Um dia desses, acabou a brincadeira na AABB, assim como acabaram os carnavais de clube em João Pessoa. Mudanças de hábitos da juventude e outras atrações de rua, incluindo Olinda, a atrair carnavalescos em geral, derrubaram o carnaval dos salões fechados. 

(Foto postada no Facebook por Gilvan de Brito, na qual ele indica as presenças de Bernardo Filho, Laérson de Almeida, Marciano Soares e dele próprio, fazendo cobertura de uma matinal carnavalesca na AABB da Pedro II, em 1978)


Todos os campos são obrigatórios - O e-mail não será exibido em seu comentário