May Cirilo
May Cirilo
May Cirilo

MEMÓRIAS AFETIVAS

Por: | 30/11/2023

Quando jovem nos anos sessenta,  o meu amado pai Manoel Tiburtino Primo ( em  memória ),  veio procurar meio de vida na capital, e sobretudo vida  cultural pras filhas maiores Eu e minha irmã Dinah, já tínhamos passado por todos os melhores colégios católicos da região e de todos os lugares que se tinha para viver trabalhando  naqueles anos pós seca de 1958  em Olho D água a terra prometida.

A capital paraibana e toda sua beleza barroca nos acolheu , nossa vozinha paterna Anália Tolentino Tiburtino Leite ( saudosa memória) , veio junto cuidar DELE e das meninas ,a  nossa segunda morada era uma  casinha que ficava vizinha ao SESI o nosso primeiro elo com a CULTURA cujo quintal esportivo nos abrigou . Meu caminho diário era pro Colégio Lins de Vasconcelos o de minha irmã a Academia de Comércio , passagem obrigatória o Pavilhão do Chá,  Palácio da Redenção sede do Governo , Faculdade de Direito da UFPB ( antigo Lyceu Parahybano, onde está a torre , parte do antigo Colégio dos Jesuitas da Companhia de Jesus leia -se Gabriel Malagrida no Google) ,  Tribunal de Justiça, Praça João Pessoa , jornal A União , só aqui no primeiro olhar arquitetônico da terceira cidade mais antiga do Brasil um dos mais importantes acervos da  arquitetura  tombada pelo. IPHAN Instituto Histórico do Patrimônio Artístico e Cultural Nacional do nosso Estado , de imediato ficamos apaixonados , a Rua Direita atual Duque de Caxias era o maior corredor do mundo , a Praça Vidal de Negreiros ,( PONTO DE CEM REIS) , a igrejinha da  Misericórdia puro barroco onde Vovó Analia católica nos levava para rezar todos os  mistérios dos terços , e rosários de Ave Marias  acelerando minhas   memórias daquelas freiras de Piancó e Patos que tanto infernizaram minha segunda infância e adolescência escondendo a Fogueira da Inquisição que me queimou ao longo da vida .

Meu caminho ao Colégio Lins de Vasconcelos onde era atleta das modalidades do volley bool , corrida, e  salto em extensão ,  vivíamos os Assustados ao som das bandas “ 4Loucos”  de Golinha, Floriano, Ze Ramalho, Vital Farias eu " bailarina mor " no Theatro Santa Roza , fazia revoluções com o POVO da Engenharia , num intervalo e outro pela residência  de Professor NERY e dona CREUZA os divinos Mestres , o POINT era a PRAÇA RIO BRANCO posteriormente com Washington Rocha , Marcus Vinicius, HELP, tocamos fogo no carro . O sonho de Liberdade  não acabou , não acabará jamais tá lá cravada em LETRAS toda nossa história , a Casa de Augusto dos Anjos o maior poeta paraibano do século XX , a APL Academia Paraibana de Letras que a MULHER Ângela tomou de conta com a força da sabedoria , continua sendo meu lugar preferido para o SARAU.

Amo minha CIDADE , cada recanto desse centro histórico , me vejo a BALIZA que fui nesse entorno do Adro da Igreja de São Francisco e o Cruzeiro da paquera , do Pão com Cocada onde era Eu o centro da atenção dos POVOS da DIVERSIDADE todo mundo me queria junto era LIDER , amo essa cidade PLURAL parti pro LYCEU do ROGERRS fui morar ba comunidade da Ladeira Dom Vital onde conheci Petrônio Souto quem mais escreveu e colocou fotografias do Centro Histórico de minha cidade acolhida na Câmara Municipal em sessão extraordinária dos Vereadores Tavinho dos Santos vizinho no bairro da Fernanda Benvennuty


Todos os campos são obrigatórios - O e-mail não será exibido em seu comentário